Aditivos Alimentares

Os aditivos alimentares são classificados, conforme o Decreto nº 55871, de 26 de março de 1965, como substâncias que, ao serem adicionadas intencionalmente em diferentes tipos de alimentos, têm a capacidade de mantê-los conservados, além de intensificar ou modificar suas propriedades, desde que o valor nutritivo seja plenamente preservado.

Entenda mais sobre os aditivos alimentares, quando é permitido aplicá-los aos alimentos e quais são os tipos de aditivos oferecidos pela Maian.

Aditivos alimentares: por que usar?

Agora que esclarecemos o que são aditivos alimentares, é necessário entender por que é importante usá-los. Entre as justificativas para aplicar essas substâncias em diferentes tipos de alimentos, é possível evidenciar razões tecnológicas, nutricionais ou sensoriais.

Com o objetivo de alterar uma determinada característica do alimento, como defumá-lo, desidratá-lo, fermentá-lo, secá-lo ou adoçá-lo, por exemplo, é preciso contar com os aditivos corretos para chegar ao resultado ideal para consumo. Além disso, para realizar a exportação de alimentos, em que os mesmos sejam totalmente conservados e tenham uma armazenagem mais segura, outros tipos de aditivos são requeridos e devem ser aplicados.

Aditivos alimentares: quando é permitido fazer uso?

Para aplicar aditivos em alimentos, existem exigências regulamentadas pela Anvisa para assegurar o seu uso correto. Antes de serem utilizados, por exemplo, os aditivos alimentares são submetidos a uma avaliação toxicológica, em que são considerados diferentes fatores: efeito cumulativo, sinérgico e de proteção, conforme seu uso. O uso de aditivos alimentares pode ser proibido quando:

– Há evidência de que a substância não é segura para o consumo;

– Há evidência de que tal aditivo prejudica o valor nutritivo do alimento;

– Há evidência de que o mesmo encobre algum tipo de falha no processamento;

– Há evidência de que o consumo desse aditivo induz o consumidor ao erro/engano.

Aditivos alimentares: principais tipos

Existem diferentes tipos de aditivos alimentares na indústria alimentícia. Entre os principais, podemos destacar:

Corantes. Substâncias capazes de dar ou intensificar a cor dos alimentos. O Corante Amaranto é um exemplo comumente aplicado em balas, geleias e outros produtos alimentícios;

Flavorizantes. Substâncias capazes de intensificar o sabor e o aroma dos alimentos. O Acetato de Butila é um exemplo de essência flavorizante;

Conservadores. Substâncias capazes de retardar a alteração dos alimentos por micro-organismos. O benzoato de sódio é um exemplo de aditivo alimentar para conservação, sendo aplicado em molho de tomate, picles em conserva, azeitonas e outros alimentos;

Antioxidantes. Substâncias capazes de retardar alterações oxidativas nos alimentos. Um exemplo de aditivo antioxidante é fosfato tricálcico, presente no leite em pó, na farinha, no fermento em pó e em mais produtos alimentares;

Estabilizantes. Substâncias capazes de manter as características físicas dos alimentos. A goma guar, por exemplo, é um aditivo estabilizante presente em pães de forma, molhos (tomate, ketchup, mostarda, de saladas), sucos de soja e outros alimentos;

Espumífero e antiespumífero. Substâncias capazes de modificar a tensão superficial dos alimentos líquidos. A goma arábica é um exemplo usado em chicletes e balas;

Espessante. Substância capaz de aumentar a viscosidade de soluções em alimentos. Um exemplo desse aditivo alimentar é a Goma Xantana 80 Mesh, usada em iogurte, sopas, suco de soja e outros alimentos;

Edulcorante. Substância não glicídica, capaz de conferir sabor doce aos alimentos. A sacarina é um exemplo de aditivo edulcorante;

Umectante. Substância capaz de evitar a perda da umidade dos alimentos. A Glicerina Bi Destilada USP é um exemplo de aditivo umectante, presente em doces, bolos, sorvetes e outros;

Antiumectante. Substância capaz de reduzir as características higroscópicas dos alimentos. O fosfato monocálcico é um desses aditivos alimentares, aplicado em massas, laticínios, carnes, pães e outros;

Acidulante. Substância capaz de intensificar o gosto acídulo dos alimentos. Um exemplo de aditivo acidulante é o ácido cítrico, presente em refrigerantes, xaropes, doces, vinhos e outros.

Aditivos alimentares: como devem aparecer no rótulo?

Todos os aditivos alimentares devem ser inseridos no rótulo dos produtos alimentícios, abaixo da lista de ingredientes. De maneira geral, é preciso que as informações atestem a função do aditivo no alimento, além de apresentar seu nome completo e/ou seu número INS (Sistema Internacional de Numeração, Codex Alimentarius FAO/OMS).

Precisa de aditivos alimentares para sua indústria alimentícia? Conte com nossas soluções!